26.4.09

Da terra


Na encruzilhada
silenciosa e gritante da vida
da terra sugo
a água que turva
o corpo se alimenta
raízes rasgam
o corpo cansado
e se incorporam
entre a terra que molhada
me tráz à vida
e me dá de beber
preciso do sol
que aquece o chão árido
inconstante solitário
que aquece o sangue
que sofregamente
caminha por entra as veias
translúcidas sedentas
e se abrigam no quente
calor da terra...

1 comentário: